LGPD: qual o impacto para o marketing digital? Overall rating: ★★★★★ 5 based on 6 reviews.
5 1

Imagine um completo desconhecido tendo acesso a dados como seu nome, email, localização e até seus interesses e gostos na internet. Nada legal, não é?

A LGPD – Lei de proteção geral de dados, foi estabelecida para assegurar a privacidade e segurança de dados pessoais do cidadão, que são coletados por empresas e que não explicam que fim terão esses dados.

A lei valerá em vários lugares do mundo a partir de 2020, incluindo o Brasil. No entanto, algumas dúvidas ainda surgem em relação ao funcionamento dessa nova legislação. Hora de saber o que ela decreta e suas punições.

O que é LGPD e como funciona?

A Lei de proteção geral de dados (LGPD) assegura ao usuário o controle de seus dados pessoais. Tudo funciona através de normas precisas que especificam como devem ser tratados os dados pessoais e quais são os direitos do usuário.  A LGPD foi sancionada em agosto de 2018,  e que começou a valer em 2020.

Ela foi aprovada e acelerada principalmente após o escândalo da Cambridge Analytica, onde foi revelado que dados dos usuários do Facebook estavam sendo coletados e utilizados na campanha à presidência de Donald Trump.

Portanto, lojas, supermercados, farmácias, hotéis, bancos e várias outras empresas que retém informações, serão obrigadas por a deixar claro para qual finalidade seus dados serão utilizados. Redes sociais como o Instagram e Linkedin, também passaram por adaptações para ficar em dia com a LGPD.

O que a LGPD decreta?

Veja alguns conceitos que foram criados para melhorar o entendimento de usuários (empresa e consumidor) sobre a lei de proteção geral de dados.

Dados pessoais: toda e qualquer informação que venha a identificar uma pessoa, com dados que possam levar terceiros até ela. Esses dados podem ser o Nome, RG, CPF, telefone, e-mail e localização residencial.

Dados sensíveis: qualquer dado que possa vir a gerar discriminação de qualquer natureza, como discriminação sexual, religiosa, étnica, política e até informações sobre a saúde do usuário

Consentimento de dados: é a permissão que a pessoa concede de livre e espontânea vontade para que terceiros possam utilizar os dados que foram concedidos para um objetivo específico. Lembrando que essa informação é extremamente importante e deve ser deixada de forma CLARA para o usuário.

Controlador: pessoa física ou jurídica que cede seus dados pessoais ao processador. É ele quem decide que dados passar e como serão utilizados.

Processador: pessoa física e que também pode ser jurídica, que manuseia os dados e responde em nome do controlador.

Para mais informações sobre os outros termos que fazem parte da estrutura da Lei, confira na legislação.

O que será do marketing digital com a implantação da lgpd?

Um dos setores que mais será atingido pela lgpd é o marketing digital, já que os dados pessoais de usuários são utilizados incansavelmente em estratégias de vendas e marketing. Para evitar dores de cabeça, vejamos como empresas devem prosseguir de acordo com a lei:

  • Formulários e Landing Pages

Seja sincero na hora de pedir os dados. É indispensável que o engajamento seja transparente, portanto, fale para o seu lead para quê e como será usado os dados que você solicitar dele.

  • Cookies

Os cookies facilitam a segmentação de mídias pagas, por isso, os usuários devem ser notificados e informados das suas instalações e aprová-las.

  • Email de Conteúdo

Use a imaginação na hora de solicitar permissão do lead para enviar conteúdo. Novamente: seja claro sobre suas intenções ao solicitar os dados e crie formas dinâmicas de fazer isso.

  • Sua empresa ainda não adequou à norma? O que deve ser providenciado?

Lembrando que a lei já está em vigor no Brasil, e a sugestão é que seja criado dentro da empresa, uma equipe ou que um responsável seja escolhido para cuidar somente do gerenciamento dos dados retidos de usuários, seu uso e descarte dos mesmos.

Clientes abordados, solicitação feita e permissão concedida, seu trabalho estará ok. É importante que esta abordagem seja feita não apenas para novos leads, mas principalmente para os que já são seus clientes.

Lei violada: qual a penalidade?

As penalidades podem ser variadas. Inicialmente uma advertência simples é dada, e é determinado uma data para correção da irregularidade. A penalidade mais séria pelo descumprimento da LGPD, pode envolver proibição total ou parcial de atividades relacionadas ao tratamento de dados.

E atenção: a não conformidade com a lei também pode trazer sérios prejuízos financeiros à empresa em forma de multas.

As multas podem corresponder até 2% do faturamento da empresa ou conglomerado limitado até R$ 50 milhões por infração cometida. Ainda há possibilidade de multas diárias para compelir a entidade a cessar as violações.

Portanto, fique atento às regulamentações e adapte sua empresa às mudanças o quanto antes.

Gostou do artigo? Acompanhe nosso BLOG que sempre estaremos trazendo conteúdos relevantes sobre essa e outras temáticas.

 

Avaliação
Escrito por:

Descomplique Digital |

  • Inbound Marketing

    Conheça as redes sociais mais populares de 2020!

    Ler o artigo
  • Sem categoria

    As 5 dúvidas mais comuns sobre geração de leads

    Ler o artigo
  • Mídias Digitais

    Tenho um Instagram, preciso de um site?

    Ler o artigo